quarta-feira, 28 de setembro de 2016

#74 - ARTE POÉTICA, António Neto

Versos
Os que se escrevem com o pulso
Quando nos cortam a mão
...E só então...
Os que se datam com não-datas de calendário
Mas datas de mortes ou de partos;
O tempo que leva uma criança a nascer
Um cadáver a apodrecer
Não são tempos que admitam rótulo
De anos e mês e hora
Poesia
Só a da agonia
Que mata ou cria
Poemas
Só este
E os que escrevi e não escrevi quando morreste

Sem comentários:

Enviar um comentário

#91 - HOMERO, Sophia de Mello Breyner Andresen

Escrever o poema como um boi lavra o campo Sem que tropece no metro o pensamento Sem que nada seja reduzido ou exilado Sem que nada separ...