sexta-feira, 9 de setembro de 2016

#70 - MORDAÇA, Sebastião da Gama

Puseram-lhe na boca uma mordaça...

Mas o Poeta era Poeta
e tinha que falar.

Fez um esforço enorme,
puxou a voz como quem golfa sangue,
e a mordaça soltou-se-lhe da boca.

Porém, não era já mordaça:

-- Agora,
era um poema a queimar
os ouvidos das turbas inimigas
que, na praça, o tinham querido calar.

Sem comentários:

Enviar um comentário

#91 - HOMERO, Sophia de Mello Breyner Andresen

Escrever o poema como um boi lavra o campo Sem que tropece no metro o pensamento Sem que nada seja reduzido ou exilado Sem que nada separ...