quinta-feira, 9 de outubro de 2014

#27 - MOTIVO, Cecília Meireles

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço
-- não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
-- mais nada.

4 comentários:

  1. Gosto tanto deste poema.
    Grata por o trazer à memória.

    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Não conhecia. E acho lindíssimo! É daqueles poucos e raros poemas perfeitos, no conteúdo e na estética. Obrigado!

    ResponderEliminar
  3. Ainda bem que gostou, caro amigo! E a Cecília Meireles é uma altíssima poeta, dos maiores da nossa língua, no século passado e não só. É daqueles que permanentemente nos alimentam, faculdade que apenas os grande têm.
    Abraço

    ResponderEliminar

#91 - HOMERO, Sophia de Mello Breyner Andresen

Escrever o poema como um boi lavra o campo Sem que tropece no metro o pensamento Sem que nada seja reduzido ou exilado Sem que nada separ...