sexta-feira, 21 de outubro de 2016

#80 - VERSOS QUE EU FAÇO, Álvaro Feijó

Escrevo, muita vez, molhando a pena
no amargo fel da minha própria dor,
versos gritantes em que ponho em cena
fantasmas de ilusões, versos sem cor.

De rubro e negro, pela dor absortos,
como notas vibrantes de clarim,
finda a batalha, abençoando os mortos,
são os versos que eu faço para mim.

Mas outros há, rebeldes como potros,
onde a graça anda imersa, estua e ri,
feitos prò mundo rir, neles, dos outros,
quando, afinal, neles se ri de si.

Outros, que mal escrevo e andam dispersos
na voz-cristal das moças do lugar,
incontestavelmente os melhores versos
que faço, porque neles sei pintar
verdes de esperança, azuis de céu da calma
que dentro em nós sorri,
rubros de coração, vermelhos de alma,
esses que mal escrevo e andam dispersos
na voz-cristal do povo,
                                        são os versos
que eu faço para Ti!

                                                                                                                                                                                                      Outubro de 1937

Sem comentários:

Enviar um comentário

#91 - HOMERO, Sophia de Mello Breyner Andresen

Escrever o poema como um boi lavra o campo Sem que tropece no metro o pensamento Sem que nada seja reduzido ou exilado Sem que nada separ...