quinta-feira, 6 de outubro de 2016

#78 - TUDO, Saul Dias

Um poema
quase sem palavras
Um esquema
de indefenidos traços
O ecoar de um som
talvez nunca vibrado.

Um retrato
feito com o nada disto,
com tudo isto.

Sem comentários:

Enviar um comentário

#91 - HOMERO, Sophia de Mello Breyner Andresen

Escrever o poema como um boi lavra o campo Sem que tropece no metro o pensamento Sem que nada seja reduzido ou exilado Sem que nada separ...