sexta-feira, 15 de agosto de 2014

#20 - BALADA DOS SONS VELADOS, Martins Fontes

Amo nos versos a surdina
os tons de opala oriental,
do luar das noites de neblina,
as morte-cores de um vitral.
Quero que o verso seja tal
que em cada som tintinabule
tornando a frase musical
como a canção do rei de Tule.

Mesmo na estrofe alexandrina,
ampla, sonora e triunfal,
sinta-se bem que predomina
o semitom de uma vogal.
Nunca, de modo desigual,
haja uma rima que estridule.
E seja o verso natural
como a canção do rei de Tule.

O verso é a concha nacarina
que a enorme voz do vendaval,
doce, sutil, longínqua e fina,
repete em ecos de cristal.
Embora negro e funeral,
rouco e bramante, o mar ulule,
cante essa concha de coral
como a canção do rei de Tule.

OFERTA

Ó cavaleiros de San Graal!
Que o verso seja um véu que ondule
e evoque a imagem ideal
como a canção do rei de Tule.

Sem comentários:

Enviar um comentário

#91 - HOMERO, Sophia de Mello Breyner Andresen

Escrever o poema como um boi lavra o campo Sem que tropece no metro o pensamento Sem que nada seja reduzido ou exilado Sem que nada separ...